Encontro de Juventude e Meio Ambiente: Como foi entrevistar

Olá galera, então estou aqui para dizer sobre o meu papel hoje no EJUMA (Encontro Juventude e Meio Ambiente). Fiquei encarregada de registrar o evento fazendo entrevistas em vídeo. Meu medo inicial era da galera não querer dar entrevista ou pior ainda, eu não saber o que perguntar. Combinamos que as entrevistas tinham de ser curtas e objetivas, para subir mais rápido para o facebook.
Pois bem, peguei a câmera e comecei a observar as pessoas, não dava para mostrar tudo do jeito que estava acontecendo, afinal estavam ocorrendo várias coisas no dia como as oficinas, gente conversando sobre seu tema (cada um no seu canto), algumas conversas descontraídas; bom sou só uma e não dá pra registrar tudo né.
Outra questão é que além de fazer entrevistas eu também queria registrar alguns momentos durante o encontro. Mas depois comecei a pensar melhor e realmente era bom começar a entrevistar, pois já havia uma galera fazendo cobertura por imagens e lembrando-me da velha frase “Imagens falam mais que mil palavras” eu não preciso ficar tão preocupada com os acontecimentos ao redor, pois sei que o pessoal da fotografia sabia bem o que estava fazendo.
Outra observação: Tentei registrar pelo menos uma pessoa de casa setor.  Sendo assim, uma pessoa responsável por cada unidade do SESC, equipe do Projeto Cala-boca já  morreu (alguns mediadores), convidados, e os mediadores das oficinas, que no momento foram os jovens participantes do Projeto Rádio Ambiente 21.
Bom se for pensar é muita gente, as perguntas não podiam ser as mesmas e não esquecendo que tem gente que não gosta de dar entrevista em vídeo. Assim a Juliana Martins foi super legal comigo, ela iria fazer entrevistas em áudio e ela se propôs a ficar junto comigo. Quem tivesse vergonha de dar entrevista em vídeo podia dar em áudio então.

O Grupo se responsabilizou por contar para vocês o que aconteceu no encontro em áudio, imagem, vídeo e texto

Então, mais foi bem gostoso fazer esses registros, sem contar que nos sentimos importantes, pois éramos da “Imprensa”, e todo mundo já ficava de olho na gente. Consegui entrevistar umas pessoas bem interessantes: várias opiniões diferentes. Isso que é bacana na entrevista, você vê vários pontos de vista diferentes, aprendi muito com cada resposta.
 Entrevistei gente de todas as idades, foi bacana perceber que os convidados gostaram bastante do projeto e se interessaram muito do que aprenderam, vários estavam fazendo anotações, também é bacana saber que confiaram na gente até o fim, era jovem fazendo a cobertura de um evento com jovens. Confiaram tanto que pediram pra gente até fazer uma próxima cobertura sobre a inauguração do SESC Sorocaba, que responsa viu.
Que bom que o evento foi lindo, e temos que agradecer a nós mesmos pois tudo que aconteceu foi porque nós escolhemos e decidimos. Observem os vídeos e as fotos e depois tirem suas próprias conclusões.
Texto de Pamela Lima, 16 anos
GT Imprensa

Deixe uma resposta


7 + sete =